A OPA sobre a PT é agora apenas especulação financeira. Os trabalhadores, o Estado e os consumidores já perderam muito e vão ainda perder mais, seja qual for o resultado final

Belmiro de Azevedo lançou a OPA sobre a PT oferecendo 9,5 euros por acção, há uns dias aumentou para 10,5 e hoje disse que vai dar mais 5,10 euros por acção em três anos aos accionistas. Recordo que no lançamento da OPA, Belmiro disse que os 9,5 euros eram um preço justo e generoso e que era ponto de honra não mexer no preço.

Em pouco tempo Belmiro de Azevedo, acrescenta mais de 7 mil milhões de euros à sua proposta inicial sendo que 5, 7 mil milhões é exclusivamente para oferecer aos accionistas e é uma contra-resposta à administração da PT que por sua vez também, respondeu ao aumento da proposta de Belmiro com um pacote de remunerações aos accionistas de 6,2 mil milhões.

Tudo para os accionistas parece ser a palavra de ordem.

Se a administração da PT e Belmiro de Azevedo entregam estes mil milhões todos aos accionistas, se para cumprir estes desígnios se obrigam a alienar activos e a contrair empréstimos elevadíssimos o que sobra para cumprir as obrigações sociais com os trabalhadores e com o investimento em telecomunicações? Nada! São estes, os trabalhadores e o país, os únicos e grandes prejudicados com este negócio cada vez mais sujo.

Nesta negociata pouco ética em que se tornou esta novela, não há valor acrescentado para o país, para os consumidores e para os consumidores. Apenas e só especulação financeira de abutres.

O Governo tem de deitar mãos a isto com os “argumentos” que possui à disposição. Votar contra a desblindagem dos estatutos, acenar com a Golden-Share e lançar uma operação de aquisição sobre as infraestruturas físicas, para não dizer renacionalização, passando para o Estado a gestão da rede de cobre.

Para acabar com esta pouca vergonha em que uns, os especuladores bolsistas e financeiros, se enchem à custa de malfeitoria nos outros; os do costume.

Anúncios
por Fernando Publicado em OPA PT

Rejeitar a OPA sobre a PT. Um imperativo nacional.

Belmiro de Azevedo quando lançou a OPA sobre a PT disse que 9,5 euros por acção eram um preço justo. Disse que estava a ser generoso pois a PT valia bem menos. Em tom jocoso disse que só aumentaria o valor se encontrasse uma mina de ouro na Portugal Telecom.

Pelos vistos encontrou o tal tesouro. Subiu um euro ao valor inicial, para os 10,5 euros.

Mas os accionistas da PT também querem que a PT seja a sua mina de ouro.

Em resposta aos iniciais 9,5 euros a administração da PT engendrou um conjunto de medidas que suplantavam o valor oferecido pela Sonaecom, das quais o aumento dos dividendos era para os accionistas a cereja em cima do bolo.

Os accionistas esfregam as mãos. A Administração da PT já reagiu a esta nova oferta e o conjunto da sua oferta, atira o valor das acções, para os 11,5 euros. Não restam dúvidas que tudo está a ser feito para ver quem dá mais dinheiro a ganhar aos accionistas. Repare-se. Um accionista com cerca de 3% de acções terá cerca de 350 milhões de acções. A diferença de mais um euro por acção, oferecido por Belmiro, significaria mais 350 milhões de euros, com a proposta da Administração da PT, dobrará esse valor, na sua conta bancária.

Um caso: Joe Berard é um homem cuja colossal riqueza foi construída com base na especulação bolsista e tem perto de 3% de acções, compradas já depois de declarada a OPA por Belmiro, por um valor unitário, um pouco acima dos 9,5 euros. É fazer as contas. Com a nova remuneração accionista da Administração da PT e cada acção a valer nos próximos 3 anos 11,5 euros, Joe Berard ganha em pouco tempo, sem fazer nada por isso, (2 euros X 350 milhões de acções), 750 milhões de euros. Mas há mais Joe Berard’s.

Quem paga isto tudo?

a)      Os trabalhadores da Portugal Telecom. Nos aumentos salariais inferiores a 1 por cento (parece que agora deram uns 0, qualquer coisa por cento) no anos em que a empresa tem os maiores lucros da sua história. Os aumentos descomunais no seu sistema de saúde. O novo AE a retirar direitos (congelamento e fim das progressões automáticas sem o quadro alternativo estar discutido). O fundo de pensões deficitário. A pressão sobre o trabalho. Os “despedimentos”.

b)      O investimento tecnológico e científico. A formação. Um pior serviço aos Clientes. Um possível aumento de preços. O desenvolvimento do país.

Esta OPA teve duas finalidades:

 1) A família Azevedo fazer um negócio altamente lucrativo, adquirindo uma empresa forte, de “borla”, com os custos de aquisição, suportados com os seus próprios lucros, com a venda da Vivo do Brasil, a fusão dos operadores móveis TMN/Optimus e ainda com os cerca de 7 mil milhões de impostos de IRC que iria deixar de pagar ao Estado.

2) Evitar o desaparecimento da Sonaecom a prazo a ser absorvida por um qualquer grupo económico estrangeiro e condenada ainda pelo seu próprio fracasso no negócio.

O mérito que se atribui à separação das redes e à gestão das infra-estruturas físicas era um processo inevitável e já estava em curso e não dependeu da OPA mas da ineficácia do regulador.

Toda a gente terá percebido que a OPA sobre a PT é na sua essência um destruidor de valor e se alguma coisa se pode atribuir, desde já, a Belmiro é o de ter paralisado a PT e prejudicado seriamente os seus trabalhadores. Espera-se que não alargue os prejuízos aos consumidores e ao país.

Aos trabalhadores cabe mostra a sua posição de forma inequívoca e isso passa por estarem presentes nas manifestações promovidas pelas organizações dos trabalhadores, independentemente da análise que cada um de nós faça sobre as responsabilidades sobre a divisão das Organizações dos Trabalhadores. Reiteiro o meu apelo. Amanhã, dia 22 de Fevereiro e no dia 2 de Março vamos todas a Lisboa manifestar a nossa rejeição à OPA sobre a PT.

por Fernando Publicado em OPA PT

O que fazer com as acções da PT?

Vender as acções agora quando estão abaixo da valor da nova oferta da Sonaecom fazem tanto sentido, como fazia vender quando o valor da oferta da Sonaecom era mais baixa do que o valor do mercado. Nenhum. Numa ou noutra situação seria perder dinheiro.

Vender depois da OPA da PT quer esta tenha sucesso ou não, também não fará sentido, pois é sabido que as acções irão baixar para valores próximos dos 8 euros, segundo os analistas.

Guardar as acções esperando que os resultados da PT, com o Granadeiro ou o Belmiro, tragam melhores resultados operacionais é um risco elevado. Com a separação dos negócios e a alienação de uma das redes, os resultados tendem a piorar; com o endividamento de Belmiro na operação; com a necessidade de cobrir o défice do fundos de pensões; com a remuneração dos accionistas, deixam pouca margem de crescimento à empresa.

Mais seguro, para quem pretende fazer dinheiro, seria vender as acções na OPA a 10,5 euros, um valor acima do valor de compra, desde o ano 2000. Mas com esta operação de venda estarão a entregar a PT à Sonaecom.

As minhas acções foram oferecidas pela PT pelo contributo nos resultados da empresa. Se a minha opção dependesse de ganhar o mais dinheiro possível, não teria dúvidas, vendia as acções a Belmiro de Azevedo.

Mas não é esse o meu objectivo por isso prefiro perder mais de quinhentos euros (o que para mim ainda é um dinheiro a não desprezar) do que ajudar a viabilizar com este meu gesto o sucesso da operação. Por mim, Belmiro de Azevedo, não será o dono da Portugal Telecom.

Importante será manter uma PT genuína, impedindo que os cofres do Estado deixem de receber mais de mil milhões de euros de impostos, defender os postos de trabalho, os cuidados de saúde, as pensões dos trabalhadores da PT e os consumidores não sairem prejudicados.

por Fernando Publicado em OPA PT

O Belmiro de Azevedo parece que encontrou petróleo na Portugal Telecom.

Para quem acreditava que o Belmiro se contentava com as alterações já garantidas com o desencadear da OPA sobre a PT, como a separação das redes de cabo e cobre e do negócio grossista do retalhista, aí está a prova de que Belmiro quer mais do que isso.

Já foi dito por mim e por muitos outros que ao preço a que a Sonaecom pretendia comprar a PT, a aquisição era quase de borla. Agora com a subida do valor por acção para 10,5 euros, mais um euro do que a proposta inicial, Belmiro de Azevedo já pretende gastar alguma coisa; mais, 1.128 mil milhões de euros.

Por mim, continuo a insistir que não é o preço que está em causa. Simplesmente, insisto em dizer que o negócio é mau para o Estado (que vai deixar de receber não sei quantos mil milhões de euros de impostos), é mal para os trabalhadores (que vêem postos em causa, postos de trabalho, cuidados de saúde e fundo de pensões) e consumidores (sujeitos a menor concorrência).

Depois de ser estar garantido a desconcentração dos negócios da PT Comunicações e PT Multimédia, com a venda de uma das redes, depois de a Portugal Telecom ter assumido o compromisso de disponibilização das infraestruturas em pé de igualdade para todos os operadores, (que deveriam voltar ao Estado) não há razões para esta OPA.

No dia 22 de Fevereiro vou estar presente em Lisboa, frente à residencia oficial do Primeiro-ministro a exigir, que este dê instruções ao seu representante legal na assembleia de accionistas, para manter o bloqueamento dos estatutos e pela não cedência da goldem-share.
Fica o meu apelo a todos ostrabalhadores, no activo, em suspensão de contrato de trabalho, pré-reformados, aposentados e população em geral para alinhar neste protesto.

por Fernando Publicado em OPA PT

O Governo vai deixar de receber mais de 7 000 milhões de euros de impostos. Quem se importa?

Se a OPA sobre a Portugal Telecom se concretizar, nos próximos dois anos, segundo as contas das Finanças, o Estado vai deixar de receber 1.3 mil milhões de euros. Repito, 1.3 mil milhões de euros. Depois é só multiplicar esse valor por mais cerca de cinco vezes. Alguém está preocupado com isso?

Os portugueses, na generalidade, estão-se nas tintas para o que quer que seja, a não ser quando, directa e concretamente, o problema lhe toque na pele na carne no osso.

Que não falte, ao menos a capacidade de lutar aos trabalhadores e ex-trabalhadores da PT, pela defesa dos seus postos de trabalho, do seu sistema de saúde e da salvaguarda das suas pensões de reforma.

No dia 22 de Fevereiro estaremos em frente à residência oficial do Primeiro-Ministro Sócrates, a exigir que o Governo não aliene a golden share e instrua o seu representante legal, para votar contra o desbloqueamento dos estatutos, de modo a impedir a entrega da PT à especulação financeira.

por Fernando Publicado em OPA PT

Porquê a OPA sobre a PT?

“… É evidente que a OPA da Sonae sobre a PT tem objectivos claros: evitar o desaparecimento da Sonae.com que, como terceiro e mais pequeno operador do espaço radioeléctrico nacional, mais cedo ou mais tarde, provavelmente mais cedo que tarde, seria absorvido numa qualquer vaga de fusões do sector … Além disso, constitui um bom negócio para a família Azevedo.

… A estratégia do grupo Sonae, talvez melhor a sua simples ideia, é velha e vem nos compêndios: pagar o cão com o pêlo do próprio cão.

É que toda a gente percebeu que como esta OPA é na sua essência um destruidor de valor sem que se vislumbre a criação de algo correspondente. Uma parte do próprio mercado veria assim com bons olhos o fracasso da OPA pelo que isso significaria o evitar de uma sobrecarga da dívida da empresa por causa do forte endividamento da Sonae para comprar a operadora.

Em vez de investimentos e dividendos teremos, na lógica do cão, de pagar o capital pedido em empréstimo e os juros da operação; em vez de potenciar o negócio brasileiro, venda da VIVO à Telefónica para reduzir a factura da compra e o endividamento resultante; em vez dos investimentos que, apesar das provadas incompetências da anterior gestão, transformaram a PT num dos maiores investidores nacionais, teremos todos que andar a trabalhar para pagar as dívidas.

… No fim contabiliza-se uma enorme vantagem: a de que nada ficará como antes depois da separação das redes do cobre e do cabo, argumento aliás atrás do qual todos se refugiam para elogiar o movimento da Sonae. Terá valido a pena? Não será uma magra consolação para tão grande estrago?”

J. M. Brandão de Brito
(Jornal de Negócios, 24 Janeiro de 2007)

por Fernando Publicado em OPA PT

Serei o último a fechar a porta

Era um dos títulos do Diário Económico de hoje. “Serei o último a fechar a porta.”

Nuno Vasconcellos é um homem muito rico, mas menos rico do que Belmiro de Azevedo e é accionista da PT com mais de 3 por cento de capital. Mas não está satisfeito o homem com a OPA sobre a PT. Nuno Vasconcellos terá mais de 350 milhões de acções, compradas a mais de 9,5 euros. Entre vender ao preço de agora, acima dos 10 euros ou vender a Belmiro a 9,5 euros, há uma “ligeira” diferença, um “pormenor”de 175 milhões de euros. Nuno Vasconcellos comprou as acções acima dos 9,5 mas abaixo dos actuais 10,17 euros. Quer dizer que ainda assim ganharia muito, mas muito dinheiro. É assim que se fazem algumas fortunas. Compra-se aqui, especula-se acolá, vende-se ali.

Mas Nuno Vasconcellos diz que o problema, não é o preço, “se fosse especulador comprava a Sonae” é o projecto global da PT, confiando vir a ter mais ganhos no futuro, de que com Belmiro, com quem se recusa a trabalhar.

O empresário aponta outras razões: O Estado português não deve perder uma empresa estratégica, para a entregar a um homem, a uma família. “Não é bom para o país”, refere.

Nuno Vasconcellos, espera que o Estado zele pelo interesse nacional e acredita que os accionistas de referência, não irão vender as suas posições, mas que se tal sucedesse, “serei o último a fechar a porta”.

Insisto também. O Estado português em nome dos interesses do país, do desenvolvimento tecnológico, dos consumidores e dos trabalhadores, não pode alienar a sua posição na maior empresa do país e deixar de ter uma palavra no controle e na estratégia da única empresa de dimensão internacional.

por Fernando Publicado em OPA PT

Expliquem-me se faz favor!

Hoje a CMVM procedeu ao registo da OPA. Os accionistas vão ter que dizer agora se aceitam vender as suas acções ao preço unitário de 9,5 euros. Contudo as acções andam no mercado acima dos 10 euros. Todos os consultores financeiros, dizem que o preço é demasiado baixo. Eu tenho 200 acções oferecidas pela Empresa e vou recusar vender as minhas acções a Belmiro. Esta sensação de poder é extraordinária.

Agora mais a sério. O que ganha o País com a OPA da Sonaecom sobre a PT?

A OPA da Sonaecom sobre a PT, não interessa ao Estado, não interessa aos trabalhadores, não interessa aos consumidores, não interessará, nestas condições aos accionistas, apenas Belmiro de Azevedo, ganha com esta aquisição.

Não interessa ao Estado que vai deixar de receber durante dez anos, milhões de euros de impostos, que irão pagar os juros dos empréstimos e se apresta para perder o controle estratégico com a perda da golden share.

Não interessa aos trabalhadores que ficam sobre a ameaça do despedimento, vão perder nos direitos sociais, nos cuidados de saúde e correm o risco de ver falido o seu fundo de pensões.

Não interessa aos consumidores, pela concentração do negócio e redução da concorrência. Prevejo um aumento de preços no fixo, no móvel e uma redução de investimento, face ao “endividamento” da Sonaecom.

Não interessará aos accionistas se este preço se mantiver. A actual estratégia da administração PT remunera melhor os accionistas. Se a Sonaecom, entretanto, decidir subir a oferta, esse aumento no “endividamento” irá repercutir-se, ainda mais no investimento com efeitos no desenvolvimento do País, na oferta tecnológica, comercial e nos preços finais ao consumidor.

Interessa à Sonaecom. Porque compra uma empresa a saldo. Porque não vai pagar impostos sobre os lucros. Porque vai liderar um mercado onde tinha manifestas dificuldades. Porque o seu único interesse é ganhar muito dinheiro e vender na primeira oportunidade a um investidor estrangeiro.

Depois do comprometimento da PT de alienar a rede de cabo ou fixa, para outro concorrente, depois de ser assegurado que as infra-estruturas, serão disponibilizadas a todos os operadores em condições de igualdade, deixando cair a vantagem competitiva da PT, de ser simultaneamente grossista e retalhista da infra-estrutura, não se consegue perceber, é ilógico, é imoral, é contra natura, uma empresa com a dimensão internacional da PT, “orgulho” de um país além fronteiras, herdeira das telecomunicações em Portugal, ficar nas mãos de um grupo económico, sem que o País ganhe alguma coisa com isso.

Num país a sério, seria de esperar três coisas, cada uma por si, capaz de inviabilizar a OPA:

a) A recusa do Governo em alienar a golden share

b) A recusa dos accionistas desbloquear os estatutos para impedir que um accionista detenha mais de 10 por cento do capital.

c) Os accionistas, recusarem vender as suas acções a Belmiro de Azevedo.

por Fernando Publicado em OPA PT

Ponto da situação sobre a OPA da PT

Hoje o dia foi farto em notícias sobre a OPA da PT. Aqui fica um resumo e comentário.

  1. É sabido que Belmiro de Azevedo oferece 9,5 euros por acção. No entanto o Financial Times considera que a PT vale pelo menos 11 euros por acção e que “a administração da PT e os seus donos não se devem sentar à mesa por menos desse valor”.
  2. O Diário Económico de hoje, diz que Belmiro de Azevedo quer a fazer um acordo parassocial com a Caixa Geral de Depósitos. Mas o mesmo jornal, considera que tendo a CGD comprado as acções acima dos 10 euros, isso significaria que a CGD perderia 23 milhões de euros se vendesse as acções a 9,5 Euros.
  3. Também os accionistas da PT não parecem convencidos das vantagens da proposta da Sonae, por considerarem baixa a proposta. Por outro lado os compromissos de separação das redes e a partição da rede grossista e retalhista, oferecem condições de concorrência, aceitáveis para o Governo.
  4. A Sonaecom para comprar a PT, precisa primeiro de obter a concordância da maioria dos votos accionistas para alterar os estatutos, a fim de permitir ao accionista Sonaecom ter mais de 10 por cento do capital. Mas parece que os accionistas de referência, não se mostram disponíveis a votar esta alteração se não houver uma subida do valor por acção acima dos 9,5 Euros. Hoje as acções da PT em bolsa fecharam a 10 Euros.
  5. Outra possibilidade forte é a Sonaecom subir a o preço, ainda antes da AG para desblindar os estatutos. Se isso acontecer a Administração da PT deverá convocar uma nova Assembleia Geral, nos termos da lei, decorrente da alteração da oferta inicial, para aprovação de novas medidas anti-OPA e propor um novo aumento dos dividendos, emitir novas acções ou alienar activos, para remunerar mais os accionistas, diz o Jornal de Negócios.
  6. Subindo o preço aumenta o “endividamento” de Belmiro de Azevedo e se o Estado já iria perder em impostos 4000 milhões de euros em 10 anos, com este aumento do preço, para acompanhar as exigências dos accionistas, o investimento em tecnologia e investigação, praticamente deixará de existir e por consequência o desenvolvimento do País.
  7. Também, Mário Lino em entrevista à Rádio Renascença, disse que o Governo não abdicará da golden share na PT, afirmando que o interessa, são as melhores soluções que permitam uma melhor concorrência, melhores preços, e que importante é saber também, qual o grau de empenho dos interessados na PT de modo a que a empresa seja uma grande empresa Portuguesa. Ficamos à espera desta aparente boa-vontade do Governo.

Nota final: O texto acima foi feito com base no resumo diário da imprensa de hoje sobre a OPA da PT, a partir de uma recolha da direcção de comunicação da PT, distribuída aos trabalhadores.

por Fernando Publicado em OPA PT