“Juros altos precisam-se”

karine_leroy_fille-triste.jpg

O país pode bem viver com uma taxa de juros acima dos 4%, mesmo que isso seja devastador para algumas famílias“.

Editorial do Diário Económico.

Os disparates podem ser ditos por qualquer um, com um gosto particular, sobretudo quando vindos de “reputados” economistas. O Sr. Martim Avillez Figueiredo como qualquer bom neoliberal não quer saber das coisas comezinhas do dia a dia das pessoas, como ter de pagar as prestações de um empréstimo de uma casa ou a educação dos filhos, para apenas citar dois exemplos. Ele sabe e sem vergonha o afirma que os juros altos (tal como os impostos excessivos), são devastadores para algumas famílias, mas está-se nas tintas, porque o que interessa é a “competitividade das empresas, e por isso encontra motivos para exigir mais sacrifícios para que o país chegue ” lá acima onde se cruzam as economias ricas”.

Esta treta é recorrente. Já cheira mal. Os Martim’s Avilezes deste país não recebem salários de 1000€ e menos, para no dia seguinte, desembolsar metade com a prestação do empréstimo da casa. Os Martim’s Avillezes não sabem o que é ter salários de miséria e grandes encargos. Não sabem o que são dificuldades. Não conhecem uma vida de qualidade mínima. Falam de barriga cheia. Eles acham que os portugueses se endividam demais. Acima das suas posses. Não entendem que os portugueses têm o direito à esperança e ao sonho de melhores dias. O direito a pensar que os salários não vão ficar congelados ou abaixo da inflação.

Eu acho que os portugueses ouvem demais estes pretensos salvadores da pátria. Portugal sempre esteve em crise desde o 25 de Abril. Os Martim’s Avillezes de agora são as dezenas de ministros de outrora e a receita foi sempre a mesma. Apertar o cinto e sacrifícios …para uns. E por isso estamos onde estamos.

Bardamerda para os Martim’s Avillezes deste país!

Anúncios

2 comentários a ““Juros altos precisam-se”

  1. Quém nos governa, não conhece essa realidade da vida.

    Em França, se me lembro bém, a vida melhorou foi quando tivemos François Miterrand como presidente; tivemos logo grandes aumentos, nos abonos, salarios, etc….

    Todos nos sabemos, não é preciso sair duma escola de engenheiros, que se temos dinheiro, podemos viver e deixar de sobreviver.

    Os bancos aproveitam se bém dos emprestimos; tive em fazer um sobre 15 anos, disse que queria pagar sempre a mesma coisa até o fim, responderam me que os contratos eram de 6 meses..e depois ? depois se a taxa aumenta, teria de pagar mais…não aceitei isso. O farei aqui, ao menos sei que pagarei sempre o mesmo até o fim.

    é bom te ver de volta Fernando !!! 🙂

    beijo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s