Os escravos morriam a trabalhar

Recebido por mail

O texto que se segue é da autoria de Alice Brito, advogada em Setúbal, merece que percamos um pouquinho do nosso tempo para o ler.

Se depois de lido não sentir uma revolta a estalar dentro do peito e for capaz de olhar e ouvir os nossos governantes sem se perturbar, cuide-se… porque já perdeu de todo a capacidade de se indignar e, quando assim é, eles podem continuar impunemente a sugar-nos o sangue, que ninguém ousará dizer basta.

JC

Morreu há dias a Profª Manuela Estanqueiro com 61 anos, a quem havia sido diagnosticada uma leucemia. O caso ficaria por aqui não fora a violentíssima história em que se embrulhou, espelho feroz dos tempos ferozes em que vivemos.


A professora em Novembro de 2006 foi a uma junta médica e pediu a reforma.

Tinha mais de 30 anos de serviço, um cansaço imenso a persegui-la e uma leucemia invasora que sem piedade lhe encurtava os dias.

Com olhares de abundante reprovação e uma prosápia empaturrada de saber e de poder, a junta médica considerou que a professora estava apta para o desempenho das suas funções, sendo que deveria regressar ao serviço, sob pena de perder o vencimento.

A docente regressou durante 31 dias à sala de aula.

Vómitos, desmaios frequentes, a morte a espreitar em cada segundo que corria escandalosamente penoso, pontuaram a enormidade dos 31 dias, findos os quais entrou no Hospital donde não mais saiu até morrer.

Eram os colegas que a alimentavam na escola porque não tinha força para pegar nos talheres. Eram os colegas que a apoiavam nas turmas porque não tinha já capacidade para dar uma só aula.

A reforma chegar-lhe-ia por fim, uma semana antes da morte.

Quem foram os médicos que atestaram sobre a capacidade da professora para o exercício de funções?

Que instruções lhes foram dadas pelo sistema para agirem desta forma?

Que avaro e desgraçado país é este, que nega displicentemente um tempo mínimo de paz antes da morte a quem trabalhou a vida inteira e com a mesma criminosa displicência concede, ainda na força da vida, reformas milionárias, aos que, como pequenos chefes de turma obsequiosos e concisos prepararam, elaboraram e prescreveram o discurso da crise, do apertar do cinto, do défice, da contenção salarial, do congelamento das carreiras…?

Esta gente confortavelmente reformada e impante, vai depois continuar a ser consumidora de poder e de poderes, colocando-se e recolocando-se nos píncaros da hierarquia de todos os cargos. Vai continuar a arengar sobre a necessidade de baixos salários, apontando a navalha certeira ao coração do Estado Previdência.

Com uma loquacidade técnica, e um linguajar hermético, prova-nos a nós, preto no branco que devemos continuar a trabalhar até morrer, que os aumentos salariais não são aconselháveis, que os despedimentos ainda não são suficientes e que só atingiremos o paraíso quando a flexisegurança borboletear à nossa volta, na renovada Primavera do patronato.

E dizem tudo isto convictos e convincentes, fervorosos e despudorados.

Tempos houve, no Portugal da guerra colonial, em que os mancebos quando iam à inspecção militar eram todos apurados independentemente do seu estado de saúde. Contava-se que mesmo quando estavam a morrer, não ficavam isentos da tropa, ficando apenas “adiados”.

O neoliberalismo que coloniza as nossas vidas age como os médicos cegos que preparavam a carne para canhão.

Era professora e tinha uma leucemia. Negaram-lhe a reforma que só chegaria oito dias antes de morrer.

Alice Brito

Anúncios

5 comentários a “Os escravos morriam a trabalhar

  1. Olá Fernando

    Por motivos que conheces, também tinha lido esta notícia e o único comentário que me merece é de profundo desprezo pela Burrocracia e pelos Burrocratas que a seguem.

    Só para veres, já fui chamado à Seg Social, não fosse estar a roubar o Estado, e vê só o ridiculo, deram-me um papel, para entregar à minha médica (que diagnosticou a doença) a comprovar que estou realmente doente!

    Portugal no seu melhor!

    Um abraço e obrigado pelas visitas e pelo apoio.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s