Não venham com conversas da treta.

dn27dez.jpg

Segundo o DN, os portugueses gastaram “Quase mil euros por segundo no Natal”. Como? 1 000 Euros ao segundo dá 60 000 ao minuto, 3 600 000 à hora, 86 400 000 euros em 24 horas. Caramba …quanto teriam gasto os portugueses, verdadeiramente neste Natal? Não sou capaz de o dizer. Mas, mil euros por segundo, não foi de certeza.

No desenvolvimento da notícia, verificamos que estas contas se referem a registos de compras, através de máquinas Multibanco desde o início de Dezembro até ao Natal. Dizer que são de Natal é forçar a nota. É carregar na tese de que os portugueses são excessivamente consumistas e vem na peugada de outras notícias sobre o acréscimo do crédito mal-parado e sobre o excessivo endividamento das famílias.

A sensação que fico é que estão a querer fazer de nós uns papalvos.

Os novos catequistas, apóstolos da moral e virtudes públicas, andam inquietos, coitados, com o consumo dos portugueses. Por um lado, fodem-nos tramam-nos com aumento de custo de vida, o fecho de empresas, a retirada de direitos. Depois ainda atiram à cara que os portugueses não sabem gerir o seu dinheiro. Fica tudo a bater certo, não é? Puta que os pariu!… Bardamerda para eles.

Os portugueses não gastam demais. Os portugueses gastam o que podem gastar. Não conseguem é fazer milagres. Alguns se calhar até conseguem, tendo em conta os míseros cêntimos com que são obrigados a viver.

Tudo o resto é treta! Os portugueses não gastam de mais… não gastam mais que outras gentes, outros povos onde se cumpre este ritual do Natal.

Gastam mais do que é normal, é verdade, mas não gastam para si e não gastam acima do que podem. Gastam fazendo sacríficios, para dar carinho e afecto aos que lhes são mais próximos, aos familiares e amigos. Gastam com muitos sacrifícios, mas gastam bem. Gastam para dar a outros. A troca ou a oferta generosa de prendas é muito bonito.

Não nos emprenhem os ouvidos, porra! A maioria dos portugueses não gasta mal, nem gasta muito. Gastam mais neste dia para oferecer um gosto aos outros. A razão de a maioria dos portugueses atravessarem um momento difícil, e nalguns casos, não conseguirem cumprir os seus compromissos, não é porque gastem demasiado ou gastem mal. Não, não é! É porque lhes roubaram o emprego, aumentaram os impostos, os custos dos bens essenciais. Aumentaram as rendas ou os juros dos empréstimos.

Não nos venham com conversas da treta.

[odeo=http://odeo.com/audio/4612283/view]

Advertisements

2 comentários a “Não venham com conversas da treta.

  1. muito bem escrito este artigo.
    Eu trabalho no Multibanco e esses números, ainda que verdadeiros, não significam aquilo que se quer dar a entender como tu próprio bem deslindaste. Irei dar uma vista de olhos nesses mesmos números para depois os comentar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s